Fontes: Dinheiro Vivo; Lusa; HT; GAM.

Admirável Mundo Novo

1Acessório – Se é verdade que, às vezes, se gasta mais tempo a discutir o acessório, do que o essencial, então, com o novo produto da Gray American Corporation, o melhor é corrigir o complemento directo: porque quem quiser comprar a proteção única concebida para proteger o iPhone X da Apple, vai ter de desembolsar cerca de 1.100 euros. O valor é mesmo superior ao custo previsto para aquele que, se prevê, venha a ser o iPhone mais caro de sempre e que… ainda não chegou ao mercado.
A GAM apresenta a protecção em alumínio, mas junta uma sofisticada embalagem e modo sui generis de armação, ao produto.
Presume-se que haja maluquinhos suficientes para que o produto venha a ser bem-sucedido, em termos de vendas.

2No more vodka – Na Rússia, o Vladimir está fulo. E vai daí, deu ordens a Alexander Zharov – um amigalhaço que manda no Serviço Federal para a Supervisão de Comunicações, Tecnologia de Informação e Mass-Media – para avisar os responsáveis do Facebook de que, ou cumprem os regulamentos russos, no que toca ao armazenamento de dados pessoais dos cidadãos, ou vai pregar para outra freguesia.
Parece que, tanto Putin, como o resto da nomenklatura, não gostam de que os imperialistas ocidentais andem a guardar informações íntimas dos Nikitas e das Anushkas. Por isso, quer os americanos das Apple, Google e Uber, quer os chineses da Alibaba, já foram avisados de que podem sofrer sanções, a ponto de poderem vir a ser impedidas de operar na Rússia, caso não acatem as indicações do senhor Zharov.

Carpir (e cuspir) à-medida
Parece que, quando não estão a cantar folk songs à volta de umas canecas de ‘Guiness’, os irlandeses até são capazes de surpreender o mundo científico. Desta vez e segundo a investigadora Aimee Stapleton, ela e um grupo de colegas da Universidade de Limeric, descobriram que é possível gerar energia a partir de… saliva e de lágrimas.
A cientista explicou que “basta aplicar pressão à proteína lisozima [que abunda na saliva e nas lágrimas] para obter energia”.
Ainda não se sabe como é que a comunidade científica internacional vai encarar a descoberta, mas é possível que os irlandeses deixem de cuspir para o chão e passem a chorar por tudo e por nada, para amealhar mais uns euros…

3Caixinha prodigiosa – O corpo humano continua a revelar-se uma verdadeira caixinha de surpresas. A Microsoft acaba de anunciar que uma das suas equipas de investigação, conseguiu arquivar música em ADN. Os temas escolhidos são duas emblemáticas criações do Jazz moderno e do Rock: ‘Tutu’ (do álbum homógrafo de Miles Davis, 1986) e ‘Smoke on the Water’ dos Deep Purple (‘Machine Head’, 1972). Simpáticos, os cientistas explicaram que a tarefa se traduziu na conversão das gravações, em código binário, para linguagem de ADN. Tudo muito simples, como se percebe…

4Diagnóstico precoce – Nós, por cá, também não brincamos em serviço, nem deixamos os créditos por mãos alheias. Vai daí, respondemos com a criação de uma aplicação capaz de detectar, precocemente, sinais de doença de Parkinson.
Os responsáveis pelo projecto são cientistas da Faculdade de Motricidade Humana, que têm vindo a trabalhar no desenvolvimento de uma aplicação para telemóvel, capaz de “conseguir fazer uma deteção precoce da doença de Parkinson”, através da recolha de dados oriundos da utilização comum que os utilizadores façam dos telemóveis, falando, digitando dados ou enviando mensagens. O método permite alimentar a esperança de reduzir o habitual período, de cerca de quinze anos, quase sempre necessário para fazer um diagnóstico da doença, o que permitirá intervir mais cedo.