Comemorações do Centenário do Nacimento de D. Florentino de Andrade e Silva

d-florentino

Na última edição do Correio da Feira encerrámos um trabalho iniciado em Janeiro deste ano, com que se pretendeu homenagear D. Florentino de Andrade e Silva no centésimo aniversário do seu nascimento.
Iniciámos o ciclo de homenagem com a publicação de uma biografia, a que se seguiu, mensalmente a apresentação de alguns testemunhos amavelmente disponibilizados por alguns dos que tiveram oportunidade de privar com D. Florentino; e depoimentos de outras personalidades que, apesar de não terem conhecido pessoalmente o Bispo Feirense, dele se sentem muito próximos, pelas ligações a instituições, obras ou movimentos criados pelo bispo nascido em Mosteirô, acarinhados e abençoados durante o exercício do seu múnus apostólico na Igreja Portuguesa, em especial na diocese portuense.
Ao homenagearmos uma das mais destacadas personalidades do nosso Concelho, pretendemos também dar a conhecer aos nossos leitores uma vida de Fé, generosamente dedicada à Igreja e ao próximo, nas dioceses que lhe foram confiadas pelos Santos Pontífices, em particular a diocese do Porto, em que, durante dez anos exerceu a sua administração apostólica, na ausência do Bispo Residencial.
Ao longo do processo, entendemos que não é natural, num trabalho de homenagem, trazer do fundo dos arquivos históricos momentos de controvérsia e velhas feridas que dividiram a igreja e em especial a nossa querida diocese. Recusámo-nos desde o início a trilhar esse caminho, sem com isso faltarmos à verdade histórica, não por nos assaltar qualquer tipo de temor, mas por mero pudor, tal como D. Florentino recomendaria.
Entendemos também que a maledicência e tentativa de diminuir uma obra de valor indesmentível é acto desprezível e pouco cristão, pelo que não poderia caber nunca no trabalho apresentado pelo Correio da Feira.
Também sobre o Centenário do Nascimento de D. Florentino Andrade Silva, mas num sentido de perversidade refinada, vimos apresentado numa prestigiada publicação feirense, um trabalho em que o articulista convidado, um sacerdote e cónego da nossa diocese, inicia o seu artigo lamentando a falta de documentação sobre aqueles momentos da história recente e criticando a falta de imparcialidade de certos autores. Contudo, o reverendíssimo senhor, ainda assim, não se coíbe de apresentar uma critica à vida daquele que foi administrador apostólico da diocese do Porto, em que trabalha. E pior que tudo, fazendo um juízo de intenções sobre toda uma vida dedicada à Igreja e aos seus diocesanos, chegando a atingir inclusive a Nunciatura Apostólica em Lisboa.
As diferentes e legítimas opiniões sobre figuras que protagonizaram a recente historia da nossa diocese, e da Igreja em Portugal, entre essas D. Florentino de Andrade e Silva, devem ter lugar num debate civilizado e construtivo que podemos realizar a qualquer momento, mas entendemos, como referimos anteriormente, não caberem em trabalhos de homenagem.
O verdadeiro sentido da homenagem, é o de elevar uma vida justa, que merece ser apontada como exemplo às novas gerações, com base em documentos históricos, quando possível em testemunhos pessoais abalizados e, em especial, nas obras realizadas ou patrocinadas pelo homenageado, factores que falam da valia de um trabalho por si só.
Foi esse o testemunho e a mensagem, que D. António dos Santos, Bispo do Porto e D. João Lavrador seu auxiliar quiseram deixar, quando fizeram questão de associar-se às comemorações organizadas pela Paróquia de Mosteirô, que tiveram lugar nos dias 09 de Abril e 12 de Agosto.
O trabalho apresentado pelo Correio da Feira aos nossos leitores durante as comemorações do centenário do nascimento de D. Florentino, contou com a generosa colaboração de muitas personalidades. A todos sem excepção deixamos o nosso reconhecido agradecimento.

“Todas as messes de bem que aloiram nos campos do mundo, provêm de sementeiras de verdade”
D. Florentino de Andrade e Silva
Bispo Titular de Heliossebaste; Administrador Apostólico do Porto; Bispo do Algarve; Cavaleiro Grande-Oficial da Ordem de Cavalaria do Santo Sepulcro de Jerusalém. Feirense Emérito.

 

Jorge de Andrade