Editorial

O Mal & a Caramunha

…e lá vem (outra vez!) a necessidade de recorrer ao aforismo de que “à mulher de César, não basta ser séria; tem o de parecer também…”.
Ora, vem isto, por via da observação crítica com que fomos brindados recentemente, a propósito da “presença massiva do PS” (sic) nas páginas deste jornal, nomeadamente por via da colaboração de articulistas como António Cardoso e Margarida Gariso. E, argumentava-se, “em detrimento do PSD”.
Confesso que tal observação causou um certo desconforto, não porque seja justa (que o não é, longe disso) mas porque acabou por fazer soar o alerta para uma situação em que as aparências poderão iludir quem nos lê.
Desde que esta Direcção se responsabilizou pela edição deste semanário, reforçaram-se regras de equidistância política (que a Administração já exigia) e de equitatividade na partilha de conteúdos originados das forças partidárias, o que, apesar de não ter sido plenamente conseguido, nos deixa, ainda assim orgulhosos do resultado conseguido.
Hoje, conscientes de que na refrega eleitoral autárquica que se adivinha, muito do que se há-discutir no confronto de ideias (e na ‘caça ao voto’, assuma-se) há-de passar pelo que se escreve nos jornais; e assumindo as obrigações da ‘mulher de César’, manda a verdade dos factos que se revele que desde o início foi disponibilizado espaço editorial a TODOS os Partidos políticos, incluindo o Partido Social-Democrata.
Ora, apesar das diversas vezes em que se insistiu junto da estrutura social-democrata, o silêncio tem sido a resposta, por regra, obtida. Por isso, aqui se deixa bem claro que se há um défice de “presença” do PSD nas páginas deste jornal, é à estrutura social-democrata que deve ser pedido explicações. O que não nos pode ser sequer sugerido ao Correio da Feira, é que limitemos a participação activa de outras forças políticas no debate aberto que sempre promovemos nestas páginas, para compensar quem prefere perder por falta de comparência.
Chega. É tempo de dizer que quem faz o mal, que se assuma. Porque até a ‘mulher de César’ se cansa da caramunha…

OM