Começo e fim

painel

 

A Junta de Lobão teve a ousadia de montar um painel de “BenVindos” a Lobão em território de S. Jorge. Perguntei a diversas pessoas, todas idosas, residentes umas em S. Jorge e moradoras outras em Lobão, nomeadamente no Ribeiro, qual o sítio de fim/começo do lugar do Ribeiro, na direcção de S. Jorge. Cada um com a sua nuance, mas todos foram unânimes a confirmar que o Ribeiro começava/terminava ali nas proximidades da cabine eléctrica, outros talvez no sítio da estrada para Azevedo. Fiquei com a clara convicção de que era entendimento generalizado de que o Ribeiro começava/acabava por ali, numa possível divergência de 30 metros.

Li depois, em documento muito antigo, compilado pelo Padre José Inácio Costa e Silva, referindo-se à formação dos lugares de S. Jorge. Transcreve-se esse troço do escrito.: “A primeira referência a eles (logares) encontrei-a na Inquirições de D. Afonso 3º. (século XIII). Reza assim o trecho deste documento: ‘’…Et dixerunt quator boni homines pro partiebat terminus de Azeveduzio per rivum de uma cum Arcuzelo, et in altera parte cum Guizandi per portela de Rotoa et per portumDesposendi et quomodo vadit petram Guemara et vadit ad Ribejrum’’” Numa tentativa de tradução, com as limitações intuídas e muito por aproximação, quererá dizer este texto de latim pouco académico: E disseram quatro homens grados que o término de Azevedo se partia pelo rio Uíma com Arcozelo, e na outra parte com Guizande pela portela da Arroteia e vai em direcção à pedreira da Gembra e vai para o Ribeiro. Nota: UMA era uma grafia antiga de Uíma, ROTOA corresponde a Arroteia, DESPOSENDI corresponderá a Estose. A pedreira da Gembra existiu até não há muitos anos e foi entulhada entretanto.

Uma conclusão intuitiva é que Azevedo terá como linha de demarcação, a poente o Rio Uíma e a sul/nascente a linha desde a Arroteia, pedreira da Gembra e Ribeiro. Naturalmente, a linha terminaria no fim/começo do Lugar do Ribeiro. E, assim sendo no século XIII e não tendo havido nenhum movimento de conquista, dali para baixo (poente) nem era Ribeiro, nem era Lobão.

Por outro lado e compulsando ainda os escritos do Padre José Inácio, referindo-se a actividades em S. Jorge, lê-se: “… o primeiro hotel foi instalado numa casa nova, construída de propósito para ele, nos Candaídos e onde hoje habita o Dr. Conceição. Abriu aqui por 1886, funcionou bastantes anos, e fechou por fim. Durante largos anos estiveram as thermas sem um hotel. Até que, há uns 7 anos (algures nos anos 30) abriram-se duas pensões. Uma no Parque e outra nos Candaídos. Mais tarde abriu-se outra junto à ponte das Caldas…”

O edifício do primeiro hotel nos Candaídos foi demolido há poucos anos. Era conhecido como a Casa do Dr. Joaquim (Alexandrino da Conceição) ou Casa do Sr. Lincho (este Sr. Lincho era genro do Dr. Conceição). A Pensão que abriu mais tarde, também nos Candaídos, era a Pensão Silva, cujo edifício ainda existe com poucas alterações em relação à construção de raiz.

Conclui-se que o Lugar dos Candaídos, que ninguém ousa dizer que não era de S. Jorge, começava no Ponte com o mesmo nome e ia pela estrada até, pelo menos, ao edifício da Pensão Silva, sendo instintivo imaginar-se que terminaria no limite do Ribeiro, ali na zona da cabine que, segundo uma pessoa ainda viva, foi construída em terreno de S. Jorge.

Isto para achegar mais alguns dados para a clarificação sobre a pertença daquela rua que, aí pelos anos 30, recebeu o nome de Rua dos Namorados, por ser o percurso dos pares de namorados desde as Caldas até à Fonte dos Amores.

José Pinto da Silva