Morreu a Dra. Maria Cândida Santiago Miranda

Notícia triste que me fez as lágrimas chegar aos olhos e rolar sem licença pela face até molhar o vestido.

É sempre notícia triste a do falecimento de uma pessoa. Mas daquelas que gostamos e trazemos no coração é realmente muito triste.

Morte, palavra áspera, malvada e corrosiva que espeta e faz arrepiar. É dona e senhora da nossa vontade, pois que só temos que a aceitar e continuar a viver.

É dona da grande interrogação da nossa existência, porque vivemos a acreditar que simplesmente fazemos uma vida de jornada para atingir um bem supremo que nos espera.

E eu acredito nesse bem, nessa vida superior que nos espera e fará atingir o bem-estar perfeito. E só assim a palavra morte consegue abrandar-se e passar a ser o fim de uma caminhada que é a vida difícil de todos nós e o começo de um eterno bem.

Morreu a D.ª Maria Cândida. Que falta, que tristeza, que saudade tão dolorida.

Mulher empreendedora, professora distinta e compreensiva, grande companheira e Mãe. Mãe tão grande que conseguiu ficar lembrada dessa maneira pelos alunos que passaram pelas suas mãos, num extraordinário colégio que foi o Externato de Santa Maria.

Falar desta grande senhora é não só falar da professora, competente e diligente, mas também da sua grande sensibilidade na educação, na transmissão do espírito solidário entre professores e alunos, no gosto pelo ensinar e no amor que transmitiu a todos nós.

Em tempo de exames, os examinandos sentiam-se tão amparados nas provas orais que lhe chamavam a salvadora.

Ficamos mais pobres, muito mais pobres, apesar dos tempos de estudante já serem distantes. Mas a amizade de agradecimento, construída em amor compreensivo, carinhoso e alegre, perdurou e foi aviventada até ao seu fim.

A Dr.ª Maria Cândida Santiago Miranda soube sempre duma maneira maternal transmitir valores que nos enriqueceram e, portanto, nos ajudaram a encarar, a lutar e a valorizar as nossas vidas. Toda esta vida foi valorizada e acompanhada pelo seu grande amor, Dr. Fernando Celso Miranda. Fez deles exemplo de acção conjunta num ensino não só feito de conhecimentos mas de valores sociais que faz do homem um ser realmente educado.

Bem-haja D.ª Maria Cândida e até sempre…

A aluna,

Alcide Campos Brandão