Santa Maria de Lamas: “Eu voto nas pessoas”

Quem já não ouviu esta expressão, em tempos de campanha eleitoral? Eu voto nas pessoas!

É o Senhor e a Senhora, o Sénior e o Júnior, o Letrado e o Iletrado, todos sem exceção, convicta ou disfarçadamente apregoam o mesmo slogan: “Eu voto nas pessoas”.

Eu tenho aquele hábito, caído em desuso, de tentar perceber o que nos pretendem transmitir os cidadãos quando se dirigem aos seus potenciais representantes e, muito sinceramente, ainda não consegui entender totalmente o que é isso de “votar nas pessoas”. Aparentemente deve-se resumir a optar por alguém que tenha a melhor combinação de qualidades para governar certa freguesia.

Se esta pressuposição fosse verdadeira, o que não me parece ser o caso, teríamos de responder a um curioso fenómeno que teimosamente se repete a cada quatro anos: será que só existem pessoas competentes num de dois partidos?

Fica a deixa para o Leitor(a) e porventura Eleitor(a) se debruçar sobre o assunto e quiçá me ajudar a resolver tão caricato fenómeno. No entanto, quero ir mais além e demonstrar como o podem enganar quando lhe colocam flyers na caixa de correio e outdoors na sua rua, com caras deste e daquele, recorrendo para o efeito a uma situação verificada na minha terra, Santa Maria de Lamas.

Os Eleitores desta freguesia, durante sensivelmente dois meses, depararam-se com propaganda do PSD que apresentava uma equipa e um elenco de três pessoas para governar a Junta de Freguesia. Estes Eleitores votaram no pressuposto de que o elenco governativo que ali se apresentava, caso vencesse, formaria o executivo; certo? Sim, se houvesse transparência seria assim, mas em Santa Maria de Lamas não foi. Portanto, enganaram-no(a)…

Na realidade, a Senhora que se apresentava nos três primeiros lugares daquela lista, na primeira oportunidade que teve renunciou ao seu mandato, alegando “motivos pessoais”. Sim, na primeira oportunidade… o que nos leva a poder concluir, com muita segurança, que desde a primeira hora a própria não teve a mínima intenção de vir alguma vez a assumir aquelas funções. No entanto, em momento algum, o mencionou publicamente.

Desculpem-me a franqueza, mas se isto não é sinónimo de ludibriar os(as) Eleitores(as), então o que será? Esta decisão, qual manobra realizada nas costas do eleitorado para captar apenas mais alguns votos, demonstra qual o verdadeiro significado que o actual Presidente da JF dá às palavras “honra e compromisso”.

Portanto, Caro(a) Eleitor(a), da próxima vez que estiver a pensar nas “caras em que vai votar”, não se esqueça de confirmar que são mesmo essas caras que está a escolher, porque a moda de o(a) ludibriar parece que veio para ficar.

Os Lamacenses merecem mais respeito e, acima de tudo, representantes profundamente empenhados no desenvolvimento da freguesia, pois o marasmo em que nos colocaram a isso nos obriga.

 

Daniel Gomes,

Membro da Assembleia Municipal do PS