Jovens Indefesos

A prisão preventiva para os seguranças da discoteca de Lisboa, agressores dos jovens indefesos e alcoolizados, é um bom passo para se levar a sério a violência que acontece nestes locais de diversão.

Os casos são muitos. Alguns chegam à comunicação social. Felizmente há agora a nova realidade, um simples telemóvel que capta as imagens e estas correm mundo. Foi o que aconteceu. Senão, seria mais um caso de impunidade dos agressores.

Os jovens saem à noite para se divertir. Alguns, bebem uns copos a mais. Embriagam-se. Mas, o que os pais têm que ter a certeza é que, se isso acontecer, vão ter ajuda e não violência.

Quantos pais não permitem a diversão saudável dos filhos em espaços próprios, como as discotecas, com receio de episódios como este? Também por isso, a mão dura da Lei, neste caso tão publicitada, ajuda.

Mas, convenhamos que o excesso de violência sobre jovens alcoolizados a divertirem-se na noite não é exclusivo de “seguranças”. Infelizmente. Já quantas vezes vimos as “forças policiais” a fazerem exatamente o mesmo.

Certo ano, no Algarve, fiquei com pena de não ter comigo o telemóvel para filmar uma ação de força bruta da “polícia de choque” sobre adolescentes indefesos. Apenas se estavam a divertir, com algum álcool a mais. O que haveria de ser motivo de maior compreensão e atitude correta por parte da Polícia. Não foi o que vi.

Violência não se justifica, em caso algum. Exercida sobre jovens indefesos é algo que não pode acontecer.

Eduardo Costa,

Presidente da Associação Nacional da Imprensa Regional