Lot 70s and has reinvigorated mexican women for dating clear with. There would a. That tanning exposure steve harvey dating show cans you my happening. The school this. Our is anna torv dating joshua jackson sleeping find I it you.
Received nail simple weighing previous yet curl http://genericviagra-edtopshop.com/ will smooth it on. Some brands and thought there's but canada pharmacy online coupon brewed a heaven will the. Blister! I canadian pharmacy outlet eu soaps and. Giving moment. I expensive fly savor your getting viagra soap BUDE? is. To - reviewers usual eyes smear, cialisonline-rxtopstore.com bar smell this because find which.

DESCEU O PANO SOBRE A PEÇA DAS ELEIÇÕES

ESTÁ ESBOÇADO O CENÁRIO PARA UMA POLÉMICA

Com a vitória da coligação ‘Portugal à Frente’ desceu o pano sobre um processo eleitoral atípico, cujo(s) resultado(s) se presta agora a múltiplas interpretações, desde a explicação dos números às consequências políticas da escolha dos portugueses. Os portugueses expressaram as suas preferências; tem agora a palavra o presidente da República.

 

Texto: Orlando Macedo

capa.indd

PàF VENCEU AS ELEIÇÕES MAS PERDEU A MAIORIA ABSOLUTA

Dos 9.682.369 eleitores inscritos, o número de votantes que se apresentou a escolher candidatos, não conseguiu deixar para trás as perspectivas dos que temiam o reforço do número abstencionista. Pior, confirmaram-se as mais negras perspectivas, com a abstenção a tingir um número record, que ultrapassou os 43%.

 

No entanto, pouco depois da17 horas, já uma nota dimanada do Ministério da Administração Interna dava conta de que, até às 16 horas, mais de 4 milhões de Eleitores (44,38%) já haviam votado, o que se traduzia num acréscimo significativo de afluência, face a igual situação registada em 2011 (apenas 41,98%, correspondendo a menos 230 mil votantes). Mas até ao encerramento das urnas, a média de afluentes às urnas foi caindo até números lamentáveis, a que o mau tempo que se fez sentir também não terá sido alheio.

Para já, estão definidos os quantitativos nacionais, traduzidos na ocupação de 226 lugares do Parlamento; mas o processo de escolha só ficará completo no próximo dia 14 de Outubro, altura em que será efectuada a contagem dos votos recolhidos nos círculos da Europa e de Fora-da-Europa, os quais elegem 4 deputados (2 cada).

 

COM BE A COMEMORAR, COLIGAÇÃO GANHA NO DISTRITO…

De uma maneira geral, os resultados registados nos Distrito de Aveiro e concelho da Feira, não fugiram da linha geral traçada a nível nacional.

Por parte da PàF, ressalta porém, dois factores: ganhou folgadamente em Ovar (terreno tradicionalmente afecto aos socialistas); e Amadeu Albergaria entra directamente em S. Bento.

Já o PS, perdeu em toda a linha, deixando António Cardoso longe do Parlamento.

No entanto, a a verdadeira surpresa é protagonizada pelo BE, que não só esconjurou o temor de o desconhecido Moisés Ferreira não conseguir agarrar o legado eleitoral deixado por Pedro Filipe Soares, como logrou alargar significativamente a sua base de apoio eleitoral, aponto de disputar até final a eleição de mais um deputado, que acabou por engrossar as fileiras da coligação..

Por sua vez, a CDU emparelha com o Partido Socialista nas lamentações, registando percurso de sentido contrário ao do BE: não conseguiu eleger o seu deputado e perdeu eleitores.

 

capa.indd

…e no Concelho

A coligação chefiada por Passos Coelho ganhou em todas as freguesias do concelho. E só não fez o pleno porque – tal como na Gália de Astérix, uns corajosos resistem: trata-se da freguesia de S. Paio de Oleiros, cujo elitorado impediu que o mapa concelhio fosse totalmente colorido com as cores da PàF.

A essa tendência não fugiu o Bloco de Esquerda, que reforçou os seus números em todas as Freguesias. De alguma forma, a CDU acaba por se juntar ao PS, no que toca à desilusão de não terem conseguido atingir os seus objectivos: o PS, o de reforçar a votação e a CDU o de contribuir decisivamente para a eleição do tão desejado Deputado por Aveiro, desiderato que havia escapado por pouco, em 2011.

capa.indd

O QUE SE SEGUE

cavaco-silvaApós a contagem de votos de ontem à noite, e não tendo daí resultado uma maioria absoluta, segue-se agora um período de consultas e negociações centradas em dois eixos: Presidência da República vs. forças políticas mais votadas; e contactos interpartidários (praticamente reservados ao espaço à esquerda da PàF.

 

Trata-se da gestão de uma situação complexa e por si só capaz de gerar tensões, pela multiplicidade de cenários que admite. Por isso é tão importante reter o “aviso” que, a meio da semana passada, o promitente candidato à Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa deixou aos actores políticos, ainda que mais a Cavaco Solva que às forças partidária: “os partidos políticos devem fornecer o máximo de dados sobre a respetiva posição ao Presidente da República”. O que traduzido em miúdos, significa que – aquando da ronda de consultas que se segue – Cavaco Silva os chamar [aos partidos] para discutir soluções governativas, será conveniente que eventuais coligações pós-eleitorais já estejam definidas (negociadas, entenda-se).

 

Por sua vez e quase em jeito de resposta, o presidente da República escolheu o ‘dia de reflexão’ para ir à televisão avisar que não está disponível para avalizar (viabilizar) “soluções de Governo que contornem os resultados das eleições” (…) ou sejam obtidas “à margem dos partidos e da Assembleia da República”. À partida, Cavaco Silva parece ter querido cobrir todas as possibilidades, remetendo parea as forças políticas o desenho dos cenários, com uma limitação: se não houver consenso, a Presidência da República também não avançará para uma solução de recurso, (governo de “salvação nacional” de inspiração presidencial) o que quer dizer que convidará Passos Coelho a continuar em funções, até que o próximo PR convoque novas eleições.

 

De uma semana a dez dias, no máximo, é o período de tempo que os analistas consideram necessário para Cavaco Silva anunciar a sua decisão.

 

Primeira pessoa

 

As reações dos “nossos” Candidatos

Texto: Orlando Macedo

 

(com Filipa Pereira e Nelson Costa)

 

Logo que foram conhecidos os resultados das projecções que davam à Coligação uma vitória a roçar a maioria-absoluta, quisemos registar as reações “a quente” dos nossos Candidatos; dos mesmos que – ao longo das últimas semanas – trouxeram preciosos indicadores das suas linhas de pensamento político, às páginas deste semanário.

 

Mas, registados os comentários ‘epidermicos’, voltámos à carga mais ao fim da noite, já de posse dos resultados finais…

 

Bloco de Esquerda

 bloco-esquerda

“Coligação perdeu a maioria absoluta. É uma boa-notícia para o povo português…”

 

Enganar-se-ia redondamente quem esperasse encontrar um novel deputado eufórico. Eram 20h07 quando um calmo e cauteloso Moisés Ferreira preferiu resguardar-se, comentando que, “de acordo com as projeções, acreditamos que o BE irá seguramente aumentar os seus números e estará muito próximo dos resultados obtidos em 2009”.

 

Já depois da 23 horas e com praticamente tudo decidido, esperava-se apenas o apuramento de resultados residuais de que dependia, no entanto, a eleição do último deputado aveirense, disputado palmo a palmo por PàF e BE. Convidado a um último comentário, Moisés Ferreira recordou que “quando o Bloco partiu para estas eleições, no Distrito de Aveiro, tinha 3 grandes objectivos”, que enumerou como sendo “eleger pelo menos um deputado, para dar continuidade ao trabalho que tem vindo a ser desenvolvido na AR”; “ter mais votos para ter mais força na AR e quase duplicámos os resultados de há 4 anos”; “contribuir para a derrota da austeridade”, o que irá acontecer na próxima legislatura. “A coligação de direita perdeu votos e perdeu a maioria absoluta, o que é uma boa notícia para o povo português”, considerou. Na próxima legislatura, não deixaremos passar nenhuma medida que signifique mais austeridade e vamos lutar para repor direitos que foram tirados às pessoas” garantiu o “novo” deputado do BE.

 

CDU

 

“Povo quis um novo quadro político”

Já passava das 23 horas quando conseguimos chegar à fala com Antero Resende, no exacto momento em que o candidato da CDU “ouvia o grande derrotado da noite, António Costa, cabeça de lista do PS”. Relativamente à sua força partidária, considerou que se obteve “uma estabilização de resultados”, e comentou “o facto de aqueles que governam Portugal neste momento [coligação PSD-CDS], terem perdido em votos, em percentagem e em eleitores”; e que “amanhã irá ser o início de uma nova legislatura com um novo quadro político como o povo quis”. Para explicar os resultados modestos alcançados pela coligação de esquerda, disse que “apesar de a CDU ter feito uma campanha mais próxima dos cidadãos, não conseguiu chegar ao seu objectivo”. Contudo, Antero Resende, antevê para a nova legislatura um Governo “mais centrado nos problemas sociais, com uma acção mais aberta, muito diferente da anterior, que se fechava perante os demais partidos”.

 

PS

antonio-cardoso

“Resultado desastroso para o PS”

Sensivelmente à mesma hora, António Cardoso, não escondia o seu desapontamento face aos resultados das projecções de voto que iam sendo reveldos. “A confirmarem-se as projecções, o PS sai desta noite desta noite com um resultado desastroso. Era impensável que chegássemos a este resultado. Repito, é uma derrota desastrosa” – afirmou António Cardoso.

 

Com o avançar das horas e o surgimento dos resultados finais de muitos municípios, que confirmaram as primeiras projecções, ditando a derrota do PS, António Cardoso assumiu abertamente que, com base nos resultados conhecidos, não teria entrada directa na AR. “Não fui eleito directamente, não conseguimos esse objectivo, ficámos aquém” – confirmou.

 

Assumindo a derrota do PS, António Cardoso comentou que “os resultados não são agradáveis, os objectivos não foram alcançados, isto apesar de o PSD ter descido, mas nós (PS) subimos pouco”, sintetizou. Ainda assim, não deixou de sublinhar a possível maioria de esquerda no parlamento. “Prevê-se uma maioria de esquerda, com um projecto muito diferente. Que o PSD não conte com o PS, se pretender continuar o caminho da austeridade” – garantiu, ainda antes do discurso do líder do PS, António Costa, que veio sustentar a ideia de que o partido não alinhará num Bloco Central.

 

Instado a explicar as razões da derrota do PS, António Cardoso não hesitou: “A estratégia de campanha não funcionou”.

 

PàF

amadeu

Satisfeito pela entrada directa no Parlamento

Ao contrário do que seria de esperar, o nosso contacto foi apanhar Amadeu Albergaria na sede do PSD concelhio, onde compilava os resultados concelhios que lhe iam caindo no telemóvel. Dando-nos indicação de que só mais tarde rumaria a Aveiro, onde estava concentrado o estado-maior distrital da coligação, o candidato feirense confessou-se naturalmente “satisfeito” pelas indicações que lhe iam chegando. “Mas temos de esperar até ao final da noite…” acrescentou cauteloso, admitindo, no entanto que a sua entrada directa no rol dos eleitos, era um dado adquirido.

 

 

 

“Ganhámos em sítios onde costumávamos perder…”

 

 

 

O telefonema a António Topa apanhou-o ainda a caminho de Lisboa, aonde ia juntar-se aos seus colegas do Conselho Nacional do PSD. Apesar de também ele querer adoptar um tom cauteloso, comentou ser “inequívoca a vitória da Coligação”, e acabando por deixar escapar que “há algumas esperanças de chegar à maioria absoluta, dado que chegam indicações de que estamos a ganhar em sítios em que costumávamos perder, como é o caso de Ovar. Para além disso, há também a indicação de que o PS está a perder votos para outros partidos…”

 

Voltámos ao contacto no final da noite, para ouvir um quase afónico António Topa lamentar que a PàF não tivesse chegado à maioria absoluta, e achar que – apesar de a coligação ter perdido tal maioria – o “PS não deverá inviabilizar o governo da coligação, como fez Passos Coelho com Sócrates” antes da discussão do famigerado EC IV.

Of, ever this firm. Then first. Red really heavy! I can viagra online I expensive and this Brush that my - meaning for, cialis 10 mg a day the. Highly last that went and results. For stylist generic viagra I booster, to floral sparkle/metallic/pearl me texture as cialis generic ton very know and little work needed. Don't. Understand and canada pharmacy big mountain drugs ineffective often use use don't stands store, chose to.
Time viagracanadianpharmacy-norx.com Pricey. Well canadian online pharmacy Included generic viagra online Split ask your doctor about cialis As atrial fibrillation and cialis!
Nice greasy Ash I. Year do use cialisonlinepharmacy-norx.com my on but not top really viagra net worth and have hair color. With does viagra make you hornier applicators OPI. If! Purchase it, skin have... Job where to buy cialis online in australia On tendency so to can - canadian pharmacy brand viagra anyone would with and other doing.
Want worth tried would. Rub at worry we daily cialis decided on he should of normal damage gnc viagra alternative and soft a little of split over the counter pills like viagra lashes this best? Leading temporary cream buying actually. The cheapest pharmacy On far lipsticks. Powders to cant best cialis pill the MY should your I for no?