25 de Setembro de 2018

Não estamos à venda

Após a reação da Pietec à publicação no nosso jornal da denúncia enviada pelo Bloco de Esquerda relacionada com a situação de 41 trabalhadores daquela empresa, a Administração recolheu da Direcção e da Redacção provas de comportamento irrepreensível, em que se inclui a tentativa de ouvir a Pietec sobre o assunto.
Entretanto aquela empresa solicitou-nos a realização de uma reunião, a que não compareceu, sem cuidar de apresentar explicações, como mandam as boas regras.

A explicação para o sucedido surgiu-nos no início da semana passada, ao depararmos com um texto enxertado nas páginas do jornal «N», anedoticamente apresentado como entrevista ao mesmo senhor Válter Neves que nos tinha solicitado reunião. Aí percebemos o quanto devemos sublinhar a rápida capacidade de perceção sobre a nossa postura na Imprensa e por ter observado as diferenças com que nos apresentamos aos Feirenses. Ficámos agradecidos por ter percebido que a Administração do Correio da Feira exige respeito pelos seus profissionais, os quais jamais aceitariam publicar um texto pré-fabricado como de entrevista se tratasse. Aquele senhor terá percebido atempadamente e sem margem de dúvida que o jornal Correio da Feira não “prostitui” os seus profissionais. Logo seria uma perda de tempo a reunião para a qual tanto se tinha empenhado em agendar com a Administração do Correio da Feira, cancelando-a sem aviso prévio e após hora marcada.
Não estamos à venda, nem desrespeitamos os jornalistas que confiaram e confiam na nossa empresa e nela colaboram apostando no seu crescimento profissional e no bom-nome deste Jornal Regional, nem enganamos propositadamente os nossos leitores. Publicar textos enxertados, branquear situações e inventar declarações, não faz parte da nossa forma de fazer jornalismo. Por isso, o senhor Válter Neves acabou por acertar, ao desistir de vir ao Correio da Feira.  
Apesar das dificuldades que atravessa a Imprensa atingindo com mais rigor a Imprensa Regional, a juntar aos graves problemas que temos que enfrentar perante um jornal que nasceu para fazer fretes a um Partido politico e ao Poder Autárquico, a que se juntam alguns grupos económicos locais, o Jornal Correio da Feira e os seus colaboradores continuarão a apresentar-se aos Feirenses com Dignidade que a Ética Profissional e o Condigo Ontológico do nosso sector nos exige.
Reunimos um grupo de jovens liderados por um experiente profissional da área, que apresenta provas na Imprensa, nacional e regional. Somos humanos. Não estamos isentos de falhas. Mas o que não fazemos é “cuspir” desrespeitando o Estatuto Editorial que apresentamos aos nossos Leitores.
Privilegiamos a Informação, o Concelho e os Feirenses.
Jorge de Andrade
(Administração)

Próximo
}